Portuguese English Spanish
Entrar

Entrar

Faça seu login
ou use sua conta
Lembrar-me

Create an account

Campos marcados com * são obrigatórios
Nome (*)
Nome de usuário (*)
Senha (*)
Confirmação de senha (*)
Email (*)
Confirmação de email (*)
BUSCA

Logística Reversa: Paraná terá rede de coleta reciclável

O Paraná terá uma rede de coleta de embalagens vazias como garrafas, papel, plásticos, metais e outros materiais destinados à reciclagem. Ao todo, serão implantadas sete Centrais de Valorização de Materiais Recicláveis que irão funcionar seguindo o conceito da logística reversa – que é a coleta e retorno de resíduos depois do consumo dos produtos, para que os fabricantes os reciclem ou destinem o material de maneira ambientalmente correta.

Segundo o coordenador de Resíduos Sólidos da Secretaria do Meio Ambiente, Vinício Bruni, o Paraná tem avançado no diálogo com o segmento produtivo para que ocorra a melhor destinação possível dos materiais após o consumo.

“O Paraná iniciou, em 2012, uma ação para se antecipar ao Governo Federal nessa questão da logística reversa. Lançamos um Edital de Chamada Pública onde hoje já temos 19 setores da indústria desenvolvendo esse trabalho. Esse trabalho no setor das embalagens já vem ocorrendo há dois anos e agora vai se intensificar esses grupos, essas associações, esses sindicatos que representam mais de 100 empresas nesse processo todo.”



As Centrais são o resultado de um Termo de Compromisso da Secretaria Estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos com o setor de Embalagens e de Bebidas, responsável pelos custos da implantação e funcionamento das unidades.


O setor já tem uma unidade em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, que entre abril de 2012 e janeiro de 2016 processou mais de 7 mil toneladas de embalagens vazias. No ano passado, também entraram em funcionamento duas novas Centrais, uma em Maringá e outra em Londrina. A previsão é que em 2017 sejam inauguradas outras unidades nas regiões de Cascavel, Francisco Beltrão e Guarapuava. De acordo com o Sindibebidas, cada unidade no Interior irá recolher e enviar para reciclagem cerca de três mil toneladas de materiais por ano.

Central de reciclagem de Pinhas. (Foto: Roberto Dziur Jr)


Vinício Bruni comenta como irá funcionar o processo:


“Esse é um processo muito interessante por que existe uma nova expressão nessa Política Nacional dos Resíduos Sólidos que se chama Responsabilidade Compartilhada: todos são responsáveis pelo retorno desse material ao produtor, fabricante ou distribuidor. Assim, o fabricante também se organiza montando as suas centrais; as prefeituras colaboram nas coletas seletivas e encaminham para as cooperativas; as cooperativas fazem uma separação prévia e enfardam esse material; e aí, depois, as empresas vão buscar e trazem todo esse material para a Central. É lógico que a participação do consumidor final, que somos nós a sociedade, é importantíssima.”

Além de beneficiar o meio ambiente retirando de circulação esses materiais, a Central de Materiais Recicláveis tem ainda um forte componente social, pois estimula o cooperativismo.
Última modificação em Segunda, 16 Janeiro 2017 19:31
Avalie este item
(0 votos)

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Voltar ao Topo
 
Centro Internacional de Hidroinformática | Parque Tecnológico Itaipu   Mantenedores   Desenvolvido por:
Av. Presidente Neves, 6731 | CEP 85.867-900
Foz do Iguaçu | Paraná | Brasil
+55 45 3576-7038
   
Termos de Compromisso  |  Política Privacidade  |  Creative Commons 2014 • Todos os Direitos Reservados