Portuguese English Spanish
Entrar

Entrar

Faça seu login
ou use sua conta
Lembrar-me

Create an account

Campos marcados com * são obrigatórios
Nome (*)
Nome de usuário (*)
Senha (*)
Confirmação de senha (*)
Email (*)
Confirmação de email (*)
BUSCA

Fotógrafo utiliza seu trabalho para incentivar a aproximação das pessoas com a natureza

Foto: Marcos Amend

A relação com a natureza e a conservação do meio ambiente, pode surgir de diversas formas. Algumas pessoas levam certo tempo para entender seu papel como ser responsável pelos bens naturais comuns da sociedade. Outros, tem o despertar logo cedo – como é o caso do fotógrafo e conservacionista ambiental, Marcos Amend.

 

Enquanto outros adolescentes iam para a balada, eu ia para o mato com uma câmera que ganhei do meu pai”, relembra o curitibano. A paixão pela fotografia de natureza aumentou e hoje, ele conta com um extenso portfólio contendo imagens de paisagens naturais e da vida silvestre.

 

Naturalmente, a ligação com o meio ambiente através das lentes passou para uma posição mais ativa, levando-o a atuar em ações de conservação ambiental. Entre suas aventuras ecológicas, destaque para o trabalho em parceria com povos indígenas na Amazônia, chegando a morar por mais de um ano dentro da Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá (AM). Além disso, realizou o registro fotográfico de diversos Parques Nacionais e até uma expedição de veleiro para a Antártica.

 

Eu espero muito que as pessoas vejam as fotos que eu faço de paisagens, de bichos, dessas manifestações culturais que existem das populações que vivem em áreas mais naturais, mais conectadas com o meio ambiente. Eu espero que as pessoas tenham vontade de conhecer esses lugares, que essas imagens tenham a capacidade de gerar curiosidades nessa pessoas, de gerar vontade das pessoas se engajarem mais e conhecer, sair um pouco do shopping center no fim de semana e ir tomar um banho de cachoeira, ou ir fazer uma viagem para observar aves. Enfim, eu espero que dentro das minhas possibilidades, as minhas fotografias sempre tenham a capacidade de aproximar as pessoas um pouquinho mais da natureza.”


Foto: Marcos Amend 

Ainda de acordo com o Amend, a fotografia é o primeiro passo de ligação entre as pessoas e o cenário ambiental :

 

É um caminho natural esse, né. A partir do momento que as pessoas passam a ser usuárias da natureza, as pessoas vão se preocupar mais se a água que eles estão tomando banho no rio está limpa, se a mata que eles gostam de caminhar não está sendo degradada, se a trilha que eles gostam de passear não tem lixo. Então a partir do momento que as pessoas passam a ser usuárias de áreas naturais, esse despertar para uma consciência um pouquinho mais de conservação, eu acho que é uma coisa bem natural. As pessoas passam a ter uma visão diferente e de verdade, a própria fotografia faz isso. A fotografia faz a gente prestar muito a atenção.”

Foto: Marcos Amend

Com a urbanização dos espaços, a sociedade afastou-se consideravelmente das áreas naturais. Consequentemente, a preocupação com a conservação desses ambientes também diminuiu. Restabelecer o contato entre o ser humano e a natureza é fundamental para que haja o despertar da consciência para a preservação, conservação e o consumo consciente dos recursos naturais. Explicou:

 

As pessoas tem uma relação com a natureza, quando estabelecem uma separação muito grande da sua vida com a natureza, que não existe. A gente tá o tempo todo consumindo recursos naturais, no momento que a gente começa a estabelecer uma relação maior, seja através da fotografia, seja através do esporte, seja através de sei lá o que que vai fazer, pode fazer pintura, meditação. Você sai de uma floresta e vê uma passagem de boi, e começa a perceber que aquilo lá não é uma ambiente natural, é um ambiente alterado, um ambiente que já foi degradado para produzir alimentos, e alimentos que são gastos de formas ineficientes, enfim. Eu acho que a única saída para a natureza, é que as pessoas comecem a se aproximar um pouquinho mais dela.”

 

Marcos também foi um ávido entusiasta da fotografia de cavernas, testando o uso de luzes em um ambiente naturalmente escuro. Durante quatro anos foi voluntário e presidente do Grupo de Estudos Espeleológicos do Paraná (Açungui).

 

Última modificação em Quinta, 02 Fevereiro 2017 17:59
Avalie este item
(0 votos)

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Voltar ao Topo
 
Centro Internacional de Hidroinformática | Parque Tecnológico Itaipu   Mantenedores   Desenvolvido por:
Av. Presidente Neves, 6731 | CEP 85.867-900
Foz do Iguaçu | Paraná | Brasil
+55 45 3576-7038
   
Termos de Compromisso  |  Política Privacidade  |  Creative Commons 2014 • Todos os Direitos Reservados