Portuguese English Spanish
Entrar

Entrar

Faça seu login
ou use sua conta
Lembrar-me

Create an account

Campos marcados com * são obrigatórios
Nome (*)
Nome de usuário (*)
Senha (*)
Confirmação de senha (*)
Email (*)
Confirmação de email (*)
BUSCA

Doutorando da Unesp desenvolve método de mapeamento da população de anfíbios no Estado de São Paulo

Foto: Internet
O aluno de doutorado do Instituto de BioCiências da Unesp em Rio Claro, João Gabriel Giovanelli, desenvolveu um método para mapear a distribuição regional das espécies de anfíbios, encontradas em São Paulo. O estudo intitulado “Modelagem da distribuição geográfica dos anfíbios do estado de São Paulo”, tem como objetivo fornecer um levantamento com informações detalhadas sobre a espécie, para auxiliar no planejamento de projetos de conservação e desenvolvimento urbano sustentável. João Gabriel Giovanelli, doutorando em zoologia da Unesp em Rio Claro e autor da tese, destaca os objetivos e relevância do trabalho.

“O objetivo principal é desenvolver métodos de modelagem nicho ecológico dos anfíbios do estado de São Paulo. Os modelos, são baseados nos pontos de ocorrência onde essas espécies ocorrem. Então, existem modelos matemáticos que estimam a ocorrência dessas espécies, através de regras matemáticas. Então com poucos pontos de ocorrência , a gente consegue através dos cruzamentos desses pontos de ocorrência, com variáveis ambientais, estimar onde essas espécies podem ocorrer. Mesmo com o estado de São Paulo sendo um lugar onde a gente conhece muito os anfíbios, a gente ainda tem pouco conhecimento de onde essas espécies estão. Então, é muito caro irmos a campo, e muito demorado até para acharmos todas essas espécies. Então a maneira mais fácil, era desenvolver um método que estimasse as regiões de ocorrência dessas espécies. E com isso, teríamos um resultado final, mapas de diversos tipos, e depois selecionaríamos as áreas mais ricas que seriam úteis para o planejamento ambiental do estado de São Paulo. Principalmente em projetos de licenciamento ambiental, e plano de manejo de unidades de conservação. Que são os parques e as reservas que tem no estado de São Paulo.”

Giovanelli destaca os resultados já observados.

“O estado de São Paulo, é o estado que tem o maior conhecimento de anfíbios, muito por conta do projeto “Bioma” da Fapesp. Então a gente já sabia que no estado, tínhamos aproximadamente 240 espécies de anfíbios, mas nessa compilação de dados, já estamos com uma lista de mais de 250 espécies que ocorrem no estado de São Paulo, a gente já fez alguns testes com algumas espécies, e foi possível mapear com uma solução bem detalhada, principalmente para uma escala de tomadas de decisão de um município, então a gente já consegue, já testamos alguns métodos, e selecionamos variáveis ambientais importantes para fazer esses modelos de nicho ecológico, e os resultados foram bem satisfatórios, mostrando que é possível modelar algumas espécies, para uma escala de tomadas de decisão, a nível de município. A gente já aplicou alguns desses modelos, para verificar o potencial de invasão de um sapinho que invadiu o Brasil, principalmente em na cidade de São Paulo, no bairro do Brooklin. E uma espécie das Antilhas, e não se sabe como chegou aqui no Brasil, mas pelo fato de ele ter um canto bem estridente durante a noite, muitas pessoas reclamaram dele, e como é uma espécie exótica, a gente não sabe o comportamento dessa espécie aqui no Brasil. Então a gente já usou esse modelo para estimar até onde a espécie pode se dispersar no estado de São Paulo.”
Última modificação em Segunda, 13 Março 2017 14:18
Avalie este item
(0 votos)

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Voltar ao Topo
 
Centro Internacional de Hidroinformática | Parque Tecnológico Itaipu   Mantenedores   Desenvolvido por:
Av. Presidente Neves, 6731 | CEP 85.867-900
Foz do Iguaçu | Paraná | Brasil
+55 45 3576-7038
   
Termos de Compromisso  |  Política Privacidade  |  Creative Commons 2014 • Todos os Direitos Reservados