Portuguese English Spanish
Entrar

Entrar

Faça seu login
ou use sua conta
Lembrar-me

Create an account

Campos marcados com * são obrigatórios
Nome (*)
Nome de usuário (*)
Senha (*)
Confirmação de senha (*)
Email (*)
Confirmação de email (*)
BUSCA

Água de esgoto é reutilizada para irrigação e traz bons resultados, destaca professor da UFRN

Foto: Tribuna do Norte// Magnus Nascimento
A água é o bem mais precioso que temos no mundo. E na mesma estrada por onde passa a importância, passa também a preocupação com o futuro dela, visto que é um recurso finito e nem sempre disponível. Por isso, o reúso da água se tornou uma alternativa cada vez mais recorrente no Brasil.

Segundo Cícero de Andrade, Professor Doutor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), a alternativa é viável, prática e boa para o meio ambiente. Ele já trabalha no setor há 35 anos e comenta sobre a importância dessa prática.

“O termo 'reúso de água', na verdade quer colocar a questão do uso da água em uma nova perspectiva. Sempre se entendeu o uso da água da seguinte forma: pega a água em algum local, usa, e devolve ao meio ambiente. E a nova perspectiva é, não do uso simplesmente uma única vez, mas sim do uso já prevendo o reúso e mais outro uso. A grande importância é que quando você usa a água, você tira ela do manancial, utiliza e incorpora resíduos. E essa água, mesmo que haja algum tratamento, é muito impactante no meio. Quando se reusa um litro de água, você deixa de lançar um litro de esgoto no meio ambiente. E o esgoto é o maior consumidor de água natural que se tem hoje em dia.”

Andrade diz que a água de reúso pode ser muito bem utilizada em situações específicas, e que em alguns casos é até melhor do que a potável, como por exemplo em atividades de irrigação.

“Cada uso da água tem uma qualidade necessária. Nem sempre ela precisa ser potável para ser utilizada. A água tem que ser potável para beber. Para irrigar, por exemplo, a água potável não é boa. Tanto não é boa, que você quando irriga com a água pobre em sais, você precisa colocar adubo. Enquanto a gente tem os esgotos, mesmo quando são tratados, ainda possuem sais que podem servir de adubo para as plantas. Então o esgoto tratado é muito bom para irrigar e muito ruim para jogar no meio ambiente sem uma utilização. E a gente faz exatamente o inverso. Jogamos os esgotos nos mananciais, nas tubulações de água natural e usa a água natural para irrigar. Aí temos que comprar adubo químico para colocar, porque a água é pobre em nutrientes, enquanto a outra é rica, e ao invés de estarmos aproveitando a riqueza desses nutrientes estamos lançando nas águas naturais e nos mananciais.”

O professor ressalta que o reaproveitamento de água ainda é tabu para o brasileiro, pois segundo ele, quando se diz que a água vem do esgoto, o preconceito é inevitável. Porém, existem várias tecnologias simples e eficientes que fazem o tratamento dessa substância.

“Há tecnologia disponível para tratar água para qualquer uso. É possível até tratar o esgoto para beber. Só que na realidade brasileira, a gente precisa tratar o esgoto para usar na agricultura, na indústria, no meio urbano e irrigar canteiros centrais, enfim, tem muitos usos, como limpeza de logradouros, limpeza de praças, de feiras livres. Então a gente poderia usar o esgoto ou qualquer outra água para usar nesses cursos todos, que não é necessário água potável. E as vezes, nem deve ser água potável.”

Quanto aos resultados do uso da água tratada e reutilizada de esgotos na irrigação, o professor comenta um dos casos onde a produção melhorou.

“Nós temos aqui experimentos na Universidade Federal do Rio Grande do Norte, nos quais utilizamos água de esgoto tratado numa cidade, na irrigação com agricultores, e chegamos a ter uma produtividade irrigando milho com o esgoto tratado, de cinco toneladas de grão de milho por hectare. Para se ter um ideia, a agricultura de sequeiro, que é essa que não faz certa irrigação, e quando irriga é com água de poço ou espera a chuva. Essa agricultura de subsistência que a gente tem aqui no nordeste do Brasil tem uma produtividade de milho sequeiro na ordem de meia tonelada. Com o esgoto tratado, temos o experimento prático com agricultores, de uma produtividade na ordem de cinco toneladas. Ou seja, uma produtividade dez vezes maior.”

Andrade pontua novamente, que em alguns casos, tratar a água do esgoto para utilizar na irrigação é mais barato do que utilizar água potável e também sai muito mais em conta, do que reutiliza-lá para beber.

Escrita por Welyton Manoel com a supervisão do jornalista Vacy Alvaro
Avalie este item
(2 votos)

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Voltar ao Topo
 
Centro Internacional de Hidroinformática | Parque Tecnológico Itaipu   Mantenedores   Desenvolvido por:
Av. Presidente Neves, 6731 | CEP 85.867-900
Foz do Iguaçu | Paraná | Brasil
+55 45 3576-7038
   
Termos de Compromisso  |  Política Privacidade  |  Creative Commons 2014 • Todos os Direitos Reservados