Portuguese English Spanish
Entrar

Entrar

Faça seu login
ou use sua conta
Lembrar-me

Create an account

Campos marcados com * são obrigatórios
Nome (*)
Nome de usuário (*)
Senha (*)
Confirmação de senha (*)
Email (*)
Confirmação de email (*)
BUSCA

Tecnologia e arte ajudam a resgatar a dignidade dos catadores brasileiros

Foto: Divulgação
Por mais que não seja o ideal, infelizmente tornou-se comum encontrar lixo espalhado pelas ruas das cidades brasileiras, sejam elas grandes ou pequenas. O país produz mais de 76 milhões de toneladas de lixo por ano, e esse cenário fica ainda mais preocupante, visto que apenas 3% desse montante é reciclado.

Os municípios até contam com serviços de limpeza pública para limpar um pouco dessa sujeira. Entretanto, uma boa parte desse trabalho é realizado pelos catadores de lixo com seus carrinhos espalhados pelas cidades. Eles encaminham esses materiais para postos de reciclagem.

A atividade desses trabalhadores pode até passar desapercebida por uma boa parte da população, entretanto, é extremamente importante para a limpeza das cidades e merece ser tratada dignamente. Para ajudar a dar mais visibilidade para esta categoria, em 2012 um grupo de pessoas de São Paulo (SP) se reuniu para criar o projeto “Pimp my Carroça”.

O primeiro passo foi dado pelo “artivista”, conhecido como Mundano. O grafiteiro decidiu personalizar e decorar as carroças dos coletores que andavam diariamente pelas ruas da grande São Paulo, conforme conta Breno Castro Alves, gestor de tecnologia do aplicativo.

Com talento e arte, os voluntários transformaram as carroças dos catadores e deram mais cor para a cidade// Foto: Divulgação

“Tem um número do IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) que diz que 95% de tudo o que o Brasil recicla é coletado pelos catadores. Então, na prática, eles são parte de quase 100% da cadeia de reciclagem do Brasil. Pense a respeito, me diz uma coisa da sua vida pessoal. O que você viu primeiro: um senhor passando na sua rua e fuçando no saco de lixo, ou o programa oficial da prefeitura? Enquanto as indústrias e os governos falam sobre sustentabilidade, os catadores realizam a sustentabilidade na prática.”

Dessa vez, esse mesmo projeto irá lançar o Cataki, um aplicativo para smartphones que funciona como uma espécie de “tinder da reciclagem”. Ele foi desenvolvido com o apoio da ONG Humanitas 360, do MIT (Massachussets Institute of Technology) e com voluntários que apoiaram a ideia.

“Ele ganhou um prêmio, três anos atrás, para o desenvolvimento da América-Latina, e isso foi a semente que disse que estava no caminho certo. E a partir daí, o meu trabalho começa em janeiro, pesquisando mais a fundo, pesquisando outros aplicativos, estudando, conversando com os catadores, conversando com outros especialistas. Então foi um período de estudos, um período de desenhos e um período de programação.”

O objetivo é conectar o catador com o consumidor. Com o cadastro do coletor no aplicativo fica mais fácil chamá-lo para levar alguns materiais que não podem ser deixados em qualquer lugar e teriam um destino melhor se fosse levado pela carroça. Alves conta sobre os cadastros que podem ser feitos por qualquer pessoa que deseje ajudar.

“A gente está apostando na rede. Na mesma lógica do crowdfunding, do financiamento coletivo, a gente está indo para a lógica do crowdsourcing, que eu não sei se tem um termo no Brasil. Mas é a construção coletiva também. Sourcing é fonte, então seria confiar na rede, para a rede nos ajudar a completar essas fontes de onde estão e quem são esses catadores, como encontrá-los. Não da pra gente esperar que um projeto cultural como o Pimp my Carroça, que é um projeto cultural, que não é bancado por uma empresa, que não visa lucro – a gente é bancado com verba da cultura e do meio ambiente – não da para esperar que um projeto como o nosso, alcance 800 mil catadores que é o número estimado no Brasil. Então por isso, a gente abre isso para a colaboração da rede, das pessoas interessadas, das pessoas que entendem que eles são parte da solução e não do problema.”

O auxílio no cadastro dos catadores será recompensado com prêmios. Mais informações sobre as trocas estão em cataki.org

O aplicativo foi lançado no dia 15 de julho e já está disponível para download nas plataformas Android e IOS.

*Com a supervisão do jornalista Vacy Álvaro
Última modificação em Segunda, 17 Julho 2017 14:04
Avalie este item
(0 votos)

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Voltar ao Topo
 
Centro Internacional de Hidroinformática | Parque Tecnológico Itaipu   Mantenedores   Desenvolvido por:
Av. Presidente Neves, 6731 | CEP 85.867-900
Foz do Iguaçu | Paraná | Brasil
+55 45 3576-7038
   
Termos de Compromisso  |  Política Privacidade  |  Creative Commons 2014 • Todos os Direitos Reservados