Portuguese English Spanish
Entrar

Entrar

Faça seu login
ou use sua conta
Lembrar-me

Create an account

Campos marcados com * são obrigatórios
Nome (*)
Nome de usuário (*)
Senha (*)
Confirmação de senha (*)
Email (*)
Confirmação de email (*)
BUSCA

Onça Cacau comemora um ano de vida e vira símbolo da integração entre Brasil e Paraguai

A onça-pintada (Panthera onca) Cacau ganhou uma festa de aniversário nesta quinta-feira (21), no Refúgio Biológico Bela Vista (RBV), para marcar seu primeiro ano de vida, que será completado no próximo dia 28. Com a idade, a onça não precisa mais do acompanhamento da mãe e pode viver em outro espaço, como acontece na natureza. Assim, o pai de Cacau, Valente, voltará a conviver com Nena (a mãe) e dará continuidade ao Programa de Reprodução da Onça-pintada de Itaipu.

A previsão é que até a metade do ano que vem ela seja transferida para um recinto novo, que está sendo construído na margem paraguaia da Itaipu. No novo ambiente, ela vai conviver com uma onça-pintada macho e dará início a um programa de reprodução também no Paraguai.

“A Cacau representa todo o esforço da Itaipu em prol do meio ambiente e da sustentabilidade. Agora, ela vai representar também a nossa integração com o Paraguai, porque vai passar a morar do outro lado do rio”, comentou o diretor-geral brasileiro de Itaipu, Luiz Fernando Leone Vianna.

De acordo com o superintendente de Gestão Ambiental da Itaipu, Ariel Scheffer da Silva, outras instituições internacionais têm interesse em fazer intercâmbio de animais com o RBV. Espécies como antas e veados podem ser transferidas para o Parque Nacional Iberá, uma área de quase 140 mil hectares comprados pela ONG Conservation Land Trust, na Província de Corrientes, Argentina, para proteger animais em risco de extinção.

Imitação da natureza



Cacau pesa cerca de 50 kg e tem praticamente o mesmo tamanho da mãe, Nena. Ela é um exemplo bem-sucedido de reprodução de onça-pintada em cativeiro, a primeira nascida no RBV em 14 anos de tentativas, desde a criação do projeto.

No manejo da espécie, os profissionais do Refúgio de Itaipu usam técnicas para deixar o recinto o mais próximo do ambiente silvestre. “A gente simula várias situações da natureza”, explica o biólogo Marcos de Oliveira, “no recinto há um lago, troncos, pedras para fazê-las se exercitar”. Também são colocadas fezes de animais menores, para simular o odor das presas, além de outros estímulos que contribuem para o enriquecimento ambiental. Segundo Marcos, o manejo dos animais segue as regras da natureza. Por isso, Cacau vai viver em outro recinto.

De acordo com o biólogo de Itaipu, a presença da mãe é importante até o primeiro ano de vida. Neste período, o pai permanece separado e se reveza no recinto. Isso ocorre porque o macho não desenvolve instintos para cuidar dos filhotes e pode machucá-los. A partir do primeiro ano de vida, a onça começa a buscar novos espaços para criar a própria família.

(Itaipu Binacional)

Última modificação em Sexta, 22 Dezembro 2017 12:44
Avalie este item
(0 votos)

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Voltar ao Topo
 
Centro Internacional de Hidroinformática | Parque Tecnológico Itaipu   Mantenedores   Desenvolvido por:
Av. Presidente Neves, 6731 | CEP 85.867-900
Foz do Iguaçu | Paraná | Brasil
+55 45 3576-7038
   
  • Todos os Direitos Reservados