Portuguese English Spanish
Entrar

Entrar

Faça seu login
ou use sua conta
Lembrar-me

Create an account

Campos marcados com * são obrigatórios
Nome (*)
Nome de usuário (*)
Senha (*)
Confirmação de senha (*)
Email (*)
Confirmação de email (*)
BUSCA
Conexão Planeta

Conexão Planeta

Inovação, mobilidade urbana, estilo de vida, biodiversidade, proteção ao meio ambiente e alimentação saudável são alguns dos temas das editorias e blogs do Conexão Planeta. O site reúne jornalistas e especialistas que escrevem sobre os temas mais atuais e relevantes do momento com um olhar positivo e otimista. Nosso objetivo é inspirar as pessoas a agir e se mobilizar rumo a um mundo melhor. URL do site: http://conexaoplaneta.com.br/

Artista mostra resultado de quatro anos de lixo acumulado em série fotográfica

Uma das coisas que o ser humano se especializou em fazer nos últimos séculos – e muito bem –  foi… produzir lixo! Geramos diariamente uma quantidade absurda de resíduos, mas como toda semana, o caminhão de lixo faz a coleta, acabamos não nos dando conta deste nosso legado para o planeta.

Em 2011, o fotógrafo francês Antoine Repessé, que é colaborador de grandes publicações como Le Monde, Elle, Marianne, L’Express e Géo resolveu guardar, durante quatro anos, todo o lixo que produziu. O projeto foi chamado de  “365 Unpacked”, uma alusão aos 365 dias do ano em que ele decidiu “desempacotar” seu lixo.

Repessé acumulou nada menos 1.600 garrafas de leite, 4.800 rolos de papel higiênico e 800 quilos de jornal. Convidou amigos para serem modelos e fotografou todo este lixo em cenas inusitadas. “Eu queria dar uma dimensão estética ao meu trabalho”, diz. “A opção de classificar o lixo dá um efeito gráfico. Tentei produzir uma imagem perfeita, que evoca algo perturbador”.

O resultado do trabalho você confere abaixo. Uma metáfora inusitada e contundente sobre o lixo que produzimos diariamente.

Será mesmo que precisamos de tudo isso? Não há maneira de reduzirmos nosso consumo? Um intrigante convite para a reflexão.







Fotos: Antoine Repessé

Suzana Camargo/ Conexão Planeta (matéria disponível em: http://conexaoplaneta.com.br/blog/fotografo-mostra-o-resultado-de-4-anos-de-lixo-acumulado/

Leia mais ...

Volvo só produzirá carros elétricos e híbridos a partir de 2019

“Este comunicado marca o fim da produção de veículos movidos exclusivamente à combustão”. Foi assim que Håkan Samuelsson, CEO da montadora sueca Volvo veio à público anunciar que a empresa passará a produzir somente carros com motores elétricos a partir de 2019.

Segundo a Volvo, um século após a invenção dos veículos movidos à combustão interna – queima de combustíveis fósseis, como gasolina e diesel -, é hora de começar um novo capítulo na história da indústria automotiva: mais limpo e sustentável.

“É um anseio de nossos consumidores”, ressaltou Samuelsson. “A demanda por carros elétricos cresce cada vez mais e precisamos atender a esta procura”.

Entre 2019 e 2021, a marca promete lançar cinco novos modelos completamente elétricos, além de outras opções de híbridos. A expectativa (ambiciosa) da Volvo é vender 1 mihão de carros elétricos até 2025.

A montadora sueca também se comprometeu a ser carbono neutra em suas operações nos próximos oito anos.

Apesar do porcentual global de veículos com motores elétricos ainda ser bastante pequeno (somente 0,2%), de acordo com a Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla em inglês), em 2016, o número de veículos deste tipo rodando pelo mundo chegou a 2 milhões, um novo recorde histórico. O crescimento foi de 50%, já que no ano anterior, eram 1 milhão de carros.

A China é o maior mercado, detendo 40% desta estatística. Os outros líderes do setor são Europa e Estados Unidos. Juntas estas três regiões representam 90% do segmento mundial.

Na Escandinávia, o estudo realizado pela IEA mostrou um significativo aumento da demanda. Na Noruega, por exemplo, ele foi de 29%.

Cálculos feitos por especialistas apontam que, para conseguir limitar o aumento da temperatura da superfície da Terra abaixo de 2ºC até o final deste século, precisaríamos atingir o número de 600 milhões de veículos elétricos nas ruas até 2040.

A transição para o transporte menos poluente depende, entre outras coisas, de incentivos e subsídios do governo para estimular a troca dos veículos de combustão por modelos elétricos, e também, da mudança de paradigma da indústria automobilística.

Maiores mercados globais de veículos elétricos

China
Estados Unidos
Japão
Canadá
Noruega
Reino Unido
França
Alemanha
Holanda
Suécia


Suzana Camargo/ Conexão Planeta - Agência Internacional de Energia (Matéria disponível em: http://conexaoplaneta.com.br/blog/volvo-so-produzira-carros-eletricos-e-hibridos-partir-de-2019/)
Leia mais ...

G20 isola EUA e avança na agenda de clima. E o Brasil é coadjuvante

Os líderes de 19 das 20 maiores economias do mundo reafirmaram, em 8/7 (sábado), seu compromisso com a luta contra o aquecimento global. Mais do que isso, reconheceram que as energias limpas e a eficiência energética são motores cruciais do crescimento econômico neste século.

Sob liderança da chanceler alemã, Angela Merkel, o G20 isolou os Estados Unidos e produziu, pela primeira vez na história do bloco, um plano de ação sobre mudança do clima e energia. Embora não faça nenhuma referência ao aumento da ambição os compromissos nacionais – algo fundamental para atingir a meta de estabilizar o aquecimento da Terra bem abaixo de 2o C –, o documento dá um recado claro: o Acordo de Paris é irreversível e irrefreável. A transição para uma economia de baixo carbono já começou, ainda que o governo de Donald Trump insista nos combustíveis fósseis.

O Brasil, representado pelo presidente Michel Temer, foi coadjuvante nas discussões. Embora Temer tenha reafirmado seu “engajamento pessoal” com o Acordo de Paris e com a proteção de florestas, a realidade doméstica vai no sentido oposto: o Plano Decenal de Energia 2026, posto em consulta pública nesta sexta-feira enquanto Temer discursava sobre clima, ainda prevê 70,5% de investimentos em combustíveis fósseis, o que mantém a proporção do plano anterior, da gestão Dilma Rousseff, e a prioridade aos combustíveis fósseis, em especial ao pré-sal. E o alinhamento do presidente com a bancada ruralista tem conduzido a retrocessos na agenda ambiental, como a anistia à grilagem e a sinalização da redução de áreas protegidas, que levam ao aumento do desmatamento – e das emissões do país, que cresceram no primeiro ano de mandato de Temer.

Observatório do Clima/ Conexão Planeta (Matéria disponível em: http://conexaoplaneta.com.br/blog/g20-isola-eua-e-avanca-na-agenda-de-clima-brasil-e-coadjuvante/)
Leia mais ...
Assinar este feed RSS
 
Centro Internacional de Hidroinformática | Parque Tecnológico Itaipu   Mantenedores   Desenvolvido por:
Av. Presidente Neves, 6731 | CEP 85.867-900
Foz do Iguaçu | Paraná | Brasil
+55 45 3576-7038
   
  • Todos os Direitos Reservados